top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

O que é Ansiedade Generalizada: saiba identificar esse distúrbio.



A ansiedade generalizada é um transtorno (TAG) marcado pela preocupação excessiva, persistente e difícil de controlar sobre vários aspectos da vida cotidiana, como trabalho, saúde, família e dinheiro, por exemplo.


Essa preocupação interfere na capacidade concentração e relaxamento e não permite que quem sofre com ela desfrute normalmente das atividades diárias. Além disso, a pessoa com TAG pode apresentar sintomas físicos como tensão muscular, dor de cabeça, fadiga, insônia, taquicardia, sudorese e tremores.


Infelizmente, trata-se de um transtorno comum que afeta cerca de 3% da população adulta em algum momento da vida. É bom lembrar que ele pode se manifestar em qualquer idade, mas costuma ser mais frequente entre 20 e 40 anos.


As mulheres são duas vezes mais propensas a desenvolver o TAG do que homens, e as causas não são totalmente conhecidas, mas acredita-se fatores genéticos, psicológicos e ambientais contribuam para seu aparecimento.


Continue a leitura do artigo para entender melhor sobre o problema e quais são as opções de tratamento disponíveis.



O que é Ansiedade Generalizada?


As pessoas com TAG se sentem constantemente ansiosas, nervosas e tensas, mesmo sem motivos aparentes.


Segundo a médica com especialização em psiquiatria e psicoterapia Dra. Rochelle Marqueto, que faz o atendimento presencial e online na Pontual Psiquiatria, a ansiedade generalizada não é uma simples reação de estresse ou medo diante de uma situação específica, mas sim um estado mental crônico que afeta muito a qualidade de vida do paciente.


Apesar de ser uma reação natural diante de situações de incerteza ou ameaça, pode se tornar um problema incontrolável. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o transtorno de ansiedade, é a segunda doença mental mais frequente do mundo, afetando milhões de pessoas. A vida moderna, com suas múltiplas demandas e estímulos, pode contribuir para o aumento da ansiedade da população.



Como é feito o diagnóstico do transtorno de Ansiedade Generalizada?


O diagnóstico do TAG deve ser feito pelo especialista em saúde mental, com base nos critérios do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5). Segundo esse manual, para se diagnosticar o TAG é preciso que a pessoa apresente os seguintes sintomas por pelo menos seis meses:


  • Preocupação excessiva e persistente sobre vários eventos ou atividades da vida cotidiana;

  • Dificuldade em controlar essa preocupação;

  • Pelo menos três dos seguintes sintomas físicos ou cognitivos: inquietação, irritabilidade, fadiga, dificuldade de concentração, tensão muscular ou distúrbios do sono;

  • Sofrimento significativo ou prejuízo no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes da vida;

  • A preocupação ou os sintomas físicos não são causados por outra condição médica ou mental;

  • A preocupação ou os sintomas físicos não são melhor explicados por outro transtorno de ansiedade.


Além disso, o psiquiatra ou psicólogo avaliará outros fatores, como o histórico clínico e familiar do paciente, bem como irá descartar outras causas possíveis para os sintomas, como outros transtornos, doenças orgânicas ou efeitos colaterais de medicamentos.



Outros sintomas


  • Nervosismo, agitação ou inquietação

  • Sensação de cansaço ou fadiga

  • Dificuldade para dormir ou insônia

  • Irritabilidade ou impaciência

  • Dificuldade para se concentrar ou manter o foco

  • Tensão muscular ou dor

  • Sudorese, tremores ou palpitações

  • Náusea, diarreia ou problemas digestivos

  • Medo de perder o controle ou de algo ruim acontecer



Como é o tratamento do transtorno de ansiedade generalizada?


O tratamento do TAG envolve duas modalidades principais: a psicoterapia e a farmacoterapia. A psicoterapia consiste em um processo terapêutico conduzido por um psicólogo ou outro profissional habilitado, que visa ajudar a pessoa a compreender e modificar seus padrões de pensamento e comportamento que contribuem para a ansiedade.


A psicoterapia mais indicada para o TAG é a terapia cognitivo-comportamental (TCC), que se baseia na ideia de que as crenças irracionais e as interpretações distorcidas da realidade geram emoções negativas e reações desadaptativas.


A TCC ensina a pessoa a identificar e questionar essas crenças e interpretações, substituindo-as por pensamentos positivos e mais adequados.


A farmacoterapia consiste no uso de medicamentos prescritos por um psiquiatra ou outro médico especializado, que visam reduzir os sintomas físicos e emocionais da ansiedade. Os medicamentos mais usados para o TAG são os antidepressivos (principalmente os inibidores seletivos da recaptação da serotonina - ISRS) e os ansiolíticos (principalmente os benzodiazepínicos).


Os antidepressivos atuam no equilíbrio dos neurotransmissores cerebrais relacionados ao humor e à ansiedade. No entanto, podem demorar algumas semanas para fazer efeito.



Como administrar a ansiedade com atividades do dia a dia


Muitos enxergam a ansiedade como algo ruim, mas na verdade ela é uma emoção natural e adaptativa que nos ajuda a lidar com situações difíceis.


No entanto, quando a ansiedade sai fora de controle, ela pode prejudicar sua saúde física e mental. Por isso, a seguir trouxemos 6 atividades que você pode incluir no dia a dia para conviver com a ansiedade de forma saudável.


  1. Pratique atividades físicas regularmente, pois elas liberam endorfinas e serotonina, que contribuem para o humor e relaxamento.

  2. Converse com outras pessoas sobre os seus sentimentos, preocupações e medos, buscando apoio e compreensão. A comunicação é uma forma de expressar e aliviar as emoções, além de fortalecer os vínculos afetivos.

  3. Pratique a respiração profunda, focando na inspiração e na expiração. A respiração diafragmática te ajuda a oxigenar o cérebro, reduzir a frequência cardíaca e acalmar o sistema nervoso.

  4. Faça a higiene do sono. O sono é essencial para a recuperação do organismo, além de consolidar a memória e agir na regulação dos hormônios. Nada como uma boa noite de sono para melhorar nosso humor e a disposição, concorda?

  5. Faça aromaterapia com óleos essenciais de lavanda, camomila, laranja ou bergamota. Esses aromas têm propriedades calmantes e relaxantes, que ajudam a diminuir os níveis de cortisol, o famoso hormônio do estresse.

  6. Pratique o mindfulness. Se você não conhece essa técnica, saiba que ela é ótima para te ajudar no desenvolvimento do seu autoconhecimento e aceitação. Com base na pensada na atenção plena, ela consiste em estar consciente do momento presente, sem julgar ou reagir aos pensamentos ou sensações.


Conclusão


Às vezes, a ansiedade generalizada pode se manifestar e tomar conta de nossas vidas sem que percebamos. É importante estar atento aos sintomas e não deixar brechas para que esse problema se instale.


Caso você perceba que é hora de pedir ajuda, encontre um profissional da saúde mental que te passe confiança e guie no processo de tratamento.


A Pontual Psiquiatria conta com especialistas preparados para cuidar do seu bem-estar emocional, aproveite para conhecer nossa clínica.


18 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page