top of page
  • Foto do escritorGuilherme Ebling

Saiba porque a psicoterapia e a psiquiatria são elos fortes na superação do transtorno alimentar


a importancia da psicoterapia na superacao do transtorno alimentar


Existem inúmeros tipos de terapia para o tratamento do transtorno alimentar. Geralmente, o profissional da saúde entra em campo para ajudar o paciente a entender mais sobre si mesmo e lidar melhor com problemas associados a má alimentação, como ansiedade, depressão e uso abusivo de substâncias.


No entanto, ainda paira a seguinte dúvida sobre o tema: será que a terapia é realmente um tratamento eficaz no caso de transtornos alimentares?


Se você quer saber a resposta, continue neste artigo, pois exploraremos como a psicoterapia e a psiquiatria contribuem para a superação desse distúrbio.



O que é transtorno alimentar e porque ele se desenvolve?


Um transtorno alimentar é uma condição da saúde mental que afeta sua dieta e a maneira como você vê e lida com os alimentos.


É comum que esse transtorno apareça na adolescência ou no início da fase adulta, no entanto, ele pode ocorrer em qualquer fase da vida. As pessoas que enfrentam o problema costumam comer muita ou pouca comida e, geralmente, ficam preocupadas com o impacto da alimentação no seu peso ou forma física.


Atualmente existe tratamento, mas caso não atendidas a tempo, essas pessoas podem ficar sujeitas a complicações clínicas graves, como doenças no sistema digestivo, problemas cardíacos e outras condições envolvendo ossos, dentes e boca.


Os transtornos alimentares comumente se desenvolvem por meio de fatores subjacentes, como depressão, ansiedade, condições genéticas e traumas neurológicos.




Entenda mais sobre os tipos de transtorno alimentar


Embora não exista uma causa exata para o desenvolvimento dos transtornos alimentares, há uma combinação de fatores biológicos e psicológicos que podem contribuir para seu aparecimento.


Dentre esses fatores, é possível pensar em alterações neuroquímicas ou hormonais, além de problemas como baixa autoestima, perfeccionismo, pressões da sociedade para atender a um ideal de beleza e até mesmo o bullying.



Os tipos mais comuns de transtorno alimentar são os seguintes:


  • Anorexia nervosa: é um transtorno alimentar marcado pela perda de peso ou pela dificuldade de manter um peso saudável. A pessoa com anorexia pode apresentar uma preocupação excessiva com a perda de peso e, em geral, mantém uma visão distorcida sobre sua imagem. Ou seja, mesmo quando muito magra sente-se incomodada com seu corpo, pensando que ainda pode emagrecer mais.

  • Bulimia Nervosa: é caracterizada por episódios de ingestão alimentar seguidos por comportamentos compensatórios, como vômitos autoinduzidos, uso de laxantes ou exercícios excessivos.

  • Transtorno de compulsão alimentar periódica: é um transtorno marcado pela ingestão excessiva e recorrente de alimentos sem comportamentos compensatórios.

  • Transtorno da alimentação restritiva/evitava: caracterizado pela restrição significativa da ingestão de alimentos devido a uma aversão ou medo alimentar persistente, o que resulta em peso corporal abaixo da normalidade.



Qual o papel da psicoterapia no tratamento de transtornos alimentares?


O transtorno alimentar é um problema de saúde mental que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Além de grave, pode colocar a vida de uma pessoa em risco.


Nesse sentido, a psicoterapia é um dos principais tratamentos existentes, pois auxilia o paciente a compreender melhor seus pensamentos e comportamentos disfuncionais em relação à alimentação e ao corpo.


Com a ajuda de um psicoterapeuta qualificado, o paciente identifica as raízes de seus problemas de alimentação e trabalha para superar as crenças prejudiciais que contribuem para seus transtornos alimentares.


A psicoterapia é um processo colaborativo e muitas vezes torna-se vital no tratamento de transtornos alimentares.



A importância da avaliação psiquiátrica no tratamento de transtornos alimentares.


A avaliação psiquiátrica corrobora para o diagnóstico e tratamento correto dos transtornos alimentares. O profissional da saúde mental é treinado para ajudar identificar os sintomas específicos que cada paciente apresenta, e, a partir disso, determina o melhor curso de tratamento a seguir.


Por meio do histórico médico e psiquiátrico do paciente, o psiquiatra faz a avaliação completa dos sintomas atuais. Além disso, ele pode realizar testes psicológicos para ajudar a identificar quaisquer problemas emocionais que possam estar contribuindo para o quadro.


Como visto, os transtornos alimentares podem levar a consequências graves, e a avaliação psiquiátrica ajuda a determinar o grau dessa gravidade, como desnutrição, desidratação, desequilíbrios eletrolíticos e outros problemas.



Abordagem multidisciplinar no tratamento de transtornos alimentares


Pensar em uma estratégia terapêutica que envolva a colaboração entre profissionais da área, como psiquiatras, psicólogos, nutricionistas e terapeutas ocupacionais, garante que o paciente receba o cuidado integral.


O transtorno alimentar é uma condição complexa e deve ser tratada de forma ampla, incluindo o tratamento de sintomas físicos e psicológicos, a melhoria da qualidade de vida e o estabelecimento de relações saudáveis com a comida e o corpo.


Além disso, isso permite que os profissionais trabalhem em conjunto, compartilhando informações e discutindo as melhores estratégias em cada caso.



Como a família pode ajudar o paciente na prevenção da recaída após a recuperação?


Oferecer um ambiente seguro e uma rede de apoio é fundamental para ajudar o paciente na prevenção de recaídas relacionadas ao transtorno alimentar.


A família é uma base importante nesse processo, responsável por promover ações, como:

  • Incentivar o paciente a manter o acompanhamento médico terapêutico regular

  • Auxiliar na criação de uma rotina alimentar equilibrada e na prática de atividades físicas

  • Ficar atenta a mudanças repentinas de comportamento em relação à alimentação ou humor do paciente, e, caso necessário, procurar ajuda profissional imediatamente.


A família precisa se manter sempre informada sobre o assunto e buscar compartilhar experiência com outras famílias que estejam passando por problemas semelhantes.



Conclusão


Não é fácil para um paciente com transtorno alimentar entender essa condição e buscar ajuda. Portanto, a família e toda sociedade precisam estar atentas ao problema, especialmente para evitar que o quadro se agrave e o paciente tenha sua vida colocada em risco.


Como visto, a psicoterapia é um dos principais tratamentos que permite a recuperação e cura dos pacientes, além da avaliação psiquiátrica adequada, que também é elemento chave.


Não restam dúvidas de que a psicoterapia e a psiquiatria são elos fortes na superação do transtorno alimentar.


Se você sofre com esse problema ou conhece alguém que enfrenta dificuldades relacionadas à alimentação, não deixe de procurar ajuda.


Nossa equipe é altamente capacitada para te ajudar nessa questão, agende uma consulta hoje mesmo.


Quer ler mais artigos como este? Siga nos acompanhando nas redes sociais.


20 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page