top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

Como Tirar Pensamentos Obsessivos da Cabeça?


Como Tirar Pensamentos Obsessivos da Cabeca


Ao longo da vida, independente de idade ou gênero, é comum nos encontrarmos preocupados com os momentos de incerteza.


Essas preocupações podem surgir por questões profissionais, conflitos familiares ou até mesmo por comportamentos percebidos nas redes sociais, como a falta de resposta a uma mensagem ou a ausência de "curtidas" em nossas fotos.


De fato, essas situações surgem trazendo insegurança, e é muito comum que a ansiedade provoque pensamentos catastróficos em nossa mente nesses casos.


Vivemos em um mundo acelerado, onde muitas vezes, é difícil aquietar a mente. Todo mundo, em algum momento, já experimentou pensamentos recorrentes ou intrusivos.


Porém, é preciso estar atento quando esses pensamentos deixam de ser ocasionais e se tornam obsessivos e compulsivos. E é exatamente sobre isso que vamos falar a seguir.



O que são Pensamentos Obsessivos


Os pensamentos obsessivos são pensamentos, imagens ou impulsos indesejados e intrusivos que surgem na mente de forma repetitiva. Eles se tornam um problema quando são frequentes e se tornam perturbadores, causando ansiedade ou desconforto.


Geralmente, invadem a mente e são difíceis de gerenciar ou eliminar apenas pela simples vontade. Além disso, é importante destacar que ter um pensamento obsessivo não significa necessariamente que você tem um transtorno obsessivo compulsivo (TOC).


Por exemplo, a Associação de Ansiedade e Depressão da América (ADAA) destaca que esses pensamentos não representam os verdadeiros desejos ou a realidade de quem os experimenta - eles ocorrem completamente sem intenção. Mesmo assim, persistem, causam sofrimento e não podem ser facilmente eliminados.



Alguns exemplos de pensamento obsessivo:


  • Preocupação excessiva com germes ou contaminação.

  • Medo irracional de que algo ruim acontecerá se certas coisas não forem feitas de uma maneira específica.

  • Pensamentos ou imagens indesejadas de natureza violenta ou agressiva.

  • Preocupações intrusivas sobre a segurança de si mesmo ou de entes queridos.

  • Dúvidas constantes e angustiantes sobre decisões simples da vida diária.

  • Obsessão com simetria ou organização.

  • Pensamentos recorrentes de natureza sexual que podem ser perturbadores ou indesejados.

  • Temor persistente de cometer erros ou de esquecer informações importantes.

  • Preocupações com pensamentos, palavras ou números específicos.


Note, que para que esses pensamentos sejam caracterizados como obsessivos é fundamental que tenham o requisito da frequência e, em geral, trazer angústia ou interferir na rotina diária.



Quais são as Principais Causas


Existem várias causas que levam alguém a ter pensamentos obsessivos, e entendê-las é o primeiro passo para resolver o problema.


Dentre os principais fatores, podemos citar a genética, os desequilíbrios químicos no cérebro e até mesmo as experiências traumáticas vivenciadas.


Por exemplo, se sua família tem um histórico de transtornos de ansiedade ou depressão, você pode apresentar predisposição genética a desenvolver pensamentos obsessivos.


Da mesma forma, desequilíbrios químicos no cérebro, como níveis baixos de serotonina, costumam torná-lo mais propenso a esses pensamentos. Além disso, transtornos como ansiedade, depressão e estresse pós-traumático estão frequentemente associados a pensamentos obsessivos.


Em algumas situações, esses pensamentos surgem como forma de lidar com os sentimentos de insegurança ou medo.



Pensamentos Obsessivos Podem Ser um Sinal de Transtorno Mental?


Sim! Mas apesar de ser indicativo de um transtorno mental, não necessariamente isso ocorre. Como falamos antes, tudo depende da frequência que esses pensamentos aparecerem e de como impactam na vida cotidiana.


Também é preciso analisar se esses pensamentos são angustiantes, perturbadores e difíceis de controlar.


O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) é o mais associado a pensamentos obsessivos, que muitas vezes resultam em comportamentos compulsivos realizados para aliviar a ansiedade ou desconforto causado pelas obsessões.


Além disso, pensamentos obsessivos podem ser sintomas de outros transtornos de ansiedade, depressão, transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), e em alguns casos, transtornos alimentares e transtornos de personalidade.


No entanto, lembre-se que só um profissional de saúde mental pode fazer o diagnóstico preciso.



Aprenda a Gerenciar Pensamentos Obsessivos


Uma vez que você reconhece que está tendo pensamentos obsessivos, existem várias estratégias para gerenciá-los:


  • Mindfulness ou Atenção Plena: Imagine se permitir simplesmente estar no agora, apreciando cada segundo, sem se preocupar em julgar a situação. Essa é a essência do Mindfulness. Essa prática pode te ajudar a suavizar pensamentos obsessivos, pois ensina nossa mente a ficar tranquila, mesmo quando esses pensamentos tentam tomar o controle.

  • Reestruturação Cognitiva: Essa técnica consiste em ter uma conversa amigável com seus próprios pensamentos, onde você pode questioná-los e até desafiá-los. Com o tempo, é possível que você passe a enxergar as coisas de uma maneira diferente, suavizando a força dos pensamentos obsessivos.

  • Exposição e Prevenção de Resposta (ERP): ERP é uma terapia cognitivo-comportamental (TCC) que envolve se expor ao pensamento obsessivo e, em seguida, evitar o comportamento compulsivo ou ritual que normalmente segue.



Identifique Padrões


Identificar padrões em seus pensamentos obsessivos te ajudará a entender os gatilhos específicos que os trazem à tona.


Esses gatilhos podem variar de pessoa para pessoa, mas aqui estão alguns exemplos comuns:


  • Situações Estressantes: enfrentar momentos de alta pressão no trabalho ou na escola, prazos iminentes ou grandes mudanças na vida.

  • Conflitos Interpessoais: discussões ou desentendimentos com familiares, amigos ou colegas de trabalho.

  • Lugares Específicos: algumas pessoas associam determinados locais com pensamentos obsessivos, como um quarto bagunçado ou um espaço público lotado.

  • Horários do Dia: certos momentos do dia podem desencadear pensamentos obsessivos, como o período da noite ou logo ao acordar.

  • Estímulos Sensoriais: sons, cheiros e texturas são sensações que o cérebro associa a memórias e emoções, e essa ligação pode reativar pensamentos obsessivos quando entramos em contato com esses estímulos novamente.

  • Eventos Traumáticos: as lembranças de um trauma do passado também podem provocar pensamentos obsessivos.


Entender esses gatilhos faz parte do processo de gestão dos pensamentos obsessivos



Procure Ajuda


Por fim, é essencial destacar que se seus pensamentos obsessivos estão causando sofrimento intenso ou afetando suas atividades, você deve buscar apoio profissional. Psicólogos e psiquiatras possuem o conhecimento e as ferramentas necessárias para te ajudar a gerir e tratar essas questões.


Na Pontual Psiquiatria, temos uma equipe especializada e pronta para te acolher e orientar nesse processo. Valorizamos a saúde mental e estamos comprometidos em oferecer um tratamento personalizado e sensível às suas necessidades. Entre em contato e agende uma consulta.


15 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page