top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

Bullying na Escola: o que é, consequências e como resolver


capa bullying na escola

Bullying na escola é um problema social que inclui atitudes agressivas, intencionais e repetidas, sem motivação evidente, impostas contra a vítima.


Ocorre quando alguém ou um grupo de pessoas praticam repetidamente atos como bater, xingar, humilhar ou intimidar alguém. Isso geralmente acontece na escola. 


Geralmente, o bullying é executado dentro de uma relação desigual de poder, envolvendo vítimas, agressores e, algumas vezes, testemunhas.


De acordo com o 17º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, aproximadamente 38% das escolas brasileiras relataram enfrentar problemas com bullying em 2021.


O tema é importante e merece ser abordado com atenção. Portanto, a seguir, explicaremos o que é bullying na escola, quais as consequências para a comunidade escolar e para o aluno e como resolver quando acontece.



O que é bullying na escola?


O termo “bullying” vem da palavra inglesa “bully”, que significa “valentão” em português. Trata-se de fenômeno perigoso que envolve violência física, psicológica ou verbal repetida contra a vítima.


As razões pelas quais alguém pratica bullying na escola são complexas e variadas. Veja alguns fatores que contribuem para a prática do bullying:


  • Desequilíbrio de poder: ter como alvo os mais fracos ou diferentes, e usar a agressão para afirmar o seu domínio e controle sobre a vítima.

  • Falta de empatia: não ter a capacidade de compreender e respeitar os sentimentos e perspectivas dos outros, o que leva comportamentos insensíveis ou ofensivos.

  • Influência: ser influenciado por amigos para se envolver em comportamentos agressivos, quer para se enquadrar num grupo, quer para ganhar estatuto social.

  • Questões pessoais: traumas familiares, baixa autoestima ou transtornos de saúde mental, contribuem para o comportamento agressivo.

  • Falta de supervisão: supervisão e monitoramento inadequados nas escolas e a falta de atenção dos pais e responsáveis podem criar oportunidades para a ocorrência de bullying.


Como identificar se seu filho sobre bullying na escola?


A organização Internacional Bullying Sin Fronteras realizou um estudo global sobre bullying, que incluiu o Brasil. O estudo constatou que o Brasil ocupa o 4º lugar no mundo em termos de casos de bullying, com um total de 66.500 casos.


Por isso, é tão importante que pais, professores e autoridades fiquem atentos se uma criança está sofrendo bullyng na escola.


Para identificar se seu filho está sendo vítima, vários sinais que podem ser observados. 

Primeiro, preste atenção a quaisquer mudanças repentinas no comportamento do seu filho, como:


  • Medo de ir à escola ou fazer outras atividades

  • Estar sempre ansioso ou com medo

  • Apresentar baixa autoestima

  • Queixa-se de mal-estar constante (dores de cabeça e de estômago)

  • Ter baixo desempenho na escola

  • Perde coisas, precisa de dinheiro, relata estar com fome depois da escola

  • Lesões, hematomas, roupas ou artigos danificados

  • Ameaças de machucar a si mesmo ou a outros

  • Solitário e isolado e ter poucos amigos na escola ou vizinhança

  • Facilmente frustrado e com raiva rápida

  • Não reconhece o impacto do seu comportamento

  • A criança apresenta dificuldade em resistir à pressão de colegas


Esteja atento a quaisquer sintomas e às conversas do seu filho, observando sempre suas interações com outras pessoas, tanto pessoalmente como online, para identificar quaisquer potenciais comportamentos de bullying. 


O que a lei fala sobre bullying na escola?


A Lei nº 13.185/2015, ou Lei Antibullying, representa um marco importante na proteção de estudantes contra a intimidação sistemática nas escolas brasileiras. Ela foi criada para garantir que as escolas adotem medidas de conscientização, prevenção e combate a esses atos.


O objetivo é promover um ambiente escolar seguro, onde o respeito, a diversidade e a não violência prevaleçam.


Segundo pesquisas do IBGE, a situação é alarmante: mais de 40% dos adolescentes já foram vítimas de bullying, e cerca de 13,2% se sentiram ameaçados online.


Por isso, as escolas são incentivadas a criar programas que fomentem a cultura da paz e a convivência harmoniosa, garantindo um espaço de aprendizagem e respeito entre todos.


A Lei Antibullying é um chamado à ação para educadores, pais e alunos trabalharem juntos na construção de um ambiente escolar acolhedor e inclusivo.


Quais as consequências do bullying na escola?


O bullying pode ter consequências graves para a saúde física e mental das vítimas. Vamos conversar um pouco sobre como isso afeta a vida dos estudantes:


  • Notas baixas e faltas: as notas caem, pois fica difícil se concentrar nos estudos quando você está preocupado com o bullying.

  • Tristeza e ansiedade: pode causar depressão, ansiedade, baixa autoestima e até pensamentos suicidas

  • Saúde física: lesões físicas, como hematomas, cortes e arranhões. Em situações graves, pode trazer ferimentos mais sérios.

  • Isolamento social: sentimentos de solidão, dificuldade de fazer amigos, como se não houvesse ninguém para se apoiar ou com quem conversar.

  • Perdendo de confiança: o bullying pode fazer com que alguém duvide de suas próprias qualidades e se feche para novas amizades e oportunidades.

  • Medo constante: o medo de ser o próximo alvo e ficar sempre em alerta, faz com que a escola se torne um lugar assustador, em vez de um espaço para aprender e crescer.

  • Ficar na defensiva: Às vezes, quem sofre bullying pode começar a agir de forma agressiva, como um jeito de se proteger ou de lidar com a dor.


Como prevenir e resolver o problema?


Para prevenir e combater o bullying nas escolas, é essencial compreender as causas e implementar soluções adequadas.


Algumas estratégias para prevenção e combate podem incluir a promoção da aprendizagem socioemocional, o fortalecimento das relações entre os colegas, o apoio às vítimas e o comprometimento dos pais e de toda escola.


É importante lembrar que isso deve ser um esforço coletivo entre a administração escolar, professores, pais e alunos.


Ações que as escolas devem tomar:


  • Promova a conscientização: Realize atividades educativas sobre o bullying e destaque suas consequências.

  • Crie um código de conduta: Estabeleça regras claras de comportamento e respeito mútuo dentro da escola.

  • Treinamento para professores: Capacite os educadores para identificar sinais de bullying e intervir efetivamente.

  • Canais de comunicação seguros: Forneça meios para que alunos possam relatar o bullying anonimamente.

  • Promova a inclusão: incentive atividades que fortaleçam a empatia e o trabalho em equipe entre os alunos.

  • Vigilância ativa: Monitore áreas da escola onde o bullying é mais propenso a acontecer, como pátios e corredores.

  • Reuniões com os pais: Mantenha os pais informados sobre políticas antibullying e como eles podem colaborar.

  • Apoio às vítimas: Ofereça suporte emocional e psicológico aos alunos afetados pelo bullying.

  • Responsabilização: Aplique consequências adequadas para quem pratica bullying, enfatizando a reeducação.

  • Cultura Escolar Positiva: Trabalhe para criar um ambiente escolar acolhedor, onde todos se sintam valorizados e seguros.



terapia online

Ações que os pais e responsáveis devem tomar:


  • Converse abertamente: Incentive seu filho a falar sobre o dia a dia na escola e seus sentimentos.

  • Ensine empatia: Mostre a importância de se colocar no lugar do outro e respeitar as diferenças.

  • Observe mudanças: Fique atento a alterações no comportamento, humor ou desempenho escolar.

  • Promova a autoconfiança: Ajude seu filho a desenvolver autoestima e confiança em si mesmo.

  • Estabeleça parceria com a escola: Mantenha comunicação constante com professores e coordenação sobre o ambiente escolar.

  • Defina limites para o uso da internet: Monitore o uso de redes sociais e converse sobre cyberbullying.

  • Ensine estratégias de defesa: Discuta maneiras seguras de se defender e quando é hora de buscar ajuda.

  • Incentive atividades extracurriculares: Apoie hobbies e interesses que fortaleçam suas habilidades sociais e de liderança.

  • Mostre que está ao lado dele: Garanta que seu filho saiba que tem seu apoio incondicional.

  • Busque ajuda profissional se necessário: Não hesite em procurar apoio de psicólogos ou conselheiros escolares.


Conclusão


Superar o bullying na escola é um caminho que ninguém deveria percorrer sozinho. 

Se você ou alguém que conhece está lutando contra as marcas deixadas pelo bullying, lembre-se: a psicoterapia é uma poderosa ferramenta para a cura.


Conte com a Pontual Psiquiatria na luta contra o bullying, para agendar uma sessão com nossos profissionais basta clicar aqui.

124 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page