• Jorge Augusto Ribeiro

Efeitos da pandemia: Saúde mental e COVID-19

Entenda os impactos da pandemia na saúde mental das pessoas através de dados que comprovam o aumento de casos desde a expansão do vírus.


Inúmeras incertezas surgiram neste período de quarentena: o medo do vírus e do desconhecido, o isolamento diário, as dúvidas que aparecem quanto ao futuro e às dificuldades financeiras.


Tudo isso pode levar a outro tipo de epidemia que deve ser observada com total atenção, a epidemia da saúde mental.


No artigo de hoje vamos te trazer um parâmetro geral sobre dados preocupantes envolvendo o coronavírus e saúde mental, além de exemplos na prática, que mostram o aumento de casos envolvendo profissionais da saúde e pessoas com e sem o diagnóstico de covid-19.


Vamos lá?


Relações entre saúde mental e covid-19


No dia 31 de dezembro de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS), foi notificada da ocorrência de casos desconhecidos de doença respiratória na cidade de Wuhan, província de Hubei, China. Logo depois, em fevereiro, a OMS emitiu um decreto de Emergência de Saúde Pública Internacional para COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2). Devido à rápida disseminação do vírus, para mais de 200 países, em 11 de março de 2020, a OMS qualificou o COVID-19 como uma pandemia, estabelecendo várias medidas de vigilância e controle de contágio. Incluía principalmente o isolamento (manter pessoas vulneráveis e infectadas longe de outras pessoas), quarentena (separar e restringir o movimento de pessoas que foram expostas ao covid-19).



Estas medidas, foram gatilhos para aparecimento de transtornos de humor, como por exemplo a depressão e ansiedade. Questões como a duração da quarentena, medo de infecção, tédio, carência de suprimentos e falta de informação aliadas às perdas financeiras foram pontos chave para o desenvolvimento desta doença e de outras relacionadas à saúde mental.


Podemos citar aqui uma pesquisa de Xiao Liehui (China), pesquisador-chefe do Hospital de Shenzhen da Southern Medical University, que aponta que após o surto de COVID-19 a prevalência de depressão, ansiedade, sintomas somáticos (dor de cabeça, resfriados frequentes, gastrite, dores no corpo sem causa aparente, ganho de peso, acometimento da pele por processos alérgicos entre outros) e ideação auto lesiva aumentou expressivamente entre profissionais da área da saúde.


Gênero, status ocupacional, status marital e condição socioeconômica apareceram como exemplos de fatores de risco significativos, indicando que tanto mulheres quanto profissionais de saúde, especialmente enfermeiros (as) e as pessoas solteiras estão entre aqueles que relatam maiores taxas de ansiedade e sintomas depressivos.


Relações entre sintomas psiquiátricos e COVID-19


Na mesma pesquisa, relatada por Xiao Liehui, pessoas que possuem condições psiquiátricas preexistentes (por exemplo, transtornos de humor e ansiedade, transtornos obsessivo-compulsivos ou problemas de uso de substâncias) também estão em maior risco de desenvolver recorrências ou piora significativa dos sintomas pré-existentes. Por exemplo, indivíduos com transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) podem se descontrolar a ponto de desenvolverem condições dermatológicas graves, estresse crônico, insônia e aumentar o risco de suicídio.


Por outra parte, pesquisadores Maxime e Sierra, apontam que os indivíduos com transtornos de ansiedade generalizada são mais propensos a interpretar erroneamente informações relacionadas à pandemia (por exemplo, notícias e mídia social), bem como perceber de forma alterada sintomas corporais e sentimentos inofensivos, considerando-os como evidências de estar infectados por coronavirus, aumentando sua ansiedade e angústia.


Em um estudo baseado em 908 casos do UK Biobank, se descobriu que sintomas auto-relatados de doença mental foram associados a um risco aumentado de hospitalização por COVID-19. Além disso, um estudo caso-controle baseado em registros eletrônicos de saúde de 843 pacientes com COVID-19, encontrou que depressão, ansiedade e quadros de demência podem aumentar as chances de serem diagnosticados no contexto de COVID-19.


Um estudo mais recente de agosto de 2020 apontou que de um total de 62.354 pacientes com diagnóstico de COVID-19, cerca de 5,8% (3617 indivíduos) estavam com risco aumentado de desenvolver transtornos psiquiátricos.


De acordo com o portal Uol, em uma pesquisa da Universidade de Oxford, um em cada 16 pacientes infectados por covid-19 desenvolve algum transtorno mental dentro de três meses. Neste estudo, foram analisadas cerca de 62 mil pessoas que tiveram diagnóstico positivo para o coronavírus. Na mesma pesquisa, pacientes sem um histórico psiquiátrico prévio a covid-19, tiveram uma maior incidência de ansiedade, depressão e insônia.


Viu por que ambos (saúde mental e coronavirus) andam juntos nesta pandemia ?


Alguns destes dados foram produtos de uma revisão fornecidos pela médica psiquiatra aqui da Clínica Pontual, Sayra Catalina Coral.


Se você está sentindo todos os sintomas do isolamento com grande frequência nesta pandemia, nos procure!


Basta entrar em contato com o número abaixo!

Quer conversar um pouco mais?


Nos contate para falar com um de nossos profissionais! Estaremos aqui para uma avaliação correta e respeitosa!


Aqui você encontra conteúdos sobre o universo da saúde mental, argumentando com dados científicos e concisos.


Nosso objetivo é acima de tudo trazer informação e a importância de cuidar da sua saúde mental com muito carinho.

48 visualizações0 comentário
CTA-whatsapp-bt-500x.png