top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

Características do Autismo: aprenda a identificar as principais


capa características do autismo

As características do autismo podem se manifestar de diferentes maneiras ao longo da vida de uma pessoa. Desde tenra idade, é possível observar alguns sinais de alerta que indicam a necessidade de uma avaliação profissional sobre o desenvolvimento da criança.


Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, em 2018, uma a cada 59 crianças tem espectro autista, sendo a incidência quatro vezes maior em meninos do que em meninas


A seguir, vamos tratar melhor sobre alguns desses sinais para que, ao identificar, possa haver o diagnóstico precoce e os cuidados adequados.


Características do Autismo na Infância


Em crianças autistas, é comum observar algumas características como:

  • dificuldade em se comunicar verbalmente

  • falta de contato visual com os pais ou outras pessoas

  • ausência de imitação espontânea

  • Desinteresse em brincadeiras e em jogos interativos

  • Problemas em demonstrar suas emoções e entender as emoções dos outros.


À medida que as crianças com TEA crescem, podem surgir outros sinais, como atrasos na fala, apego a rotinas diárias, interpretação literal de expressões e dificuldade em entender o pensamento alheio.


As possíveis causas do autismo


O autismo não tem uma causa única, pode ser consequência de vários fatores, como:

  • Genética

  • Exposição a certos produtos químicos ou toxinas durante a gravidez

  • Fatores pré-natais, como complicações durante a gravidez

  • Problemas ocorridos durante o parto, como privação de oxigênio

  • Idade avançada dos pais

  • Distúrbios do sistema imunológico

  • Disfunção metabólica

  • Alterações no desenvolvimento e na conectividade cerebral

  • Componente hereditário


Além disso, não há evidencias que apontem a correlação entre vacinas infantis e o autismo.


Suporte para pessoas com características do autismo


Embora não haja cura para o autismo, o tratamento é direcionado para maximizar o funcionamento, desenvolvimento e aprendizado do paciente com autismo.


Para isso, o psiquiatra ou outro profissional da saúde mental leva em conta terapias especializadas, implementadas precocemente, para tratar os sintomas. Além disso, levar uma vida estruturada e organizada é fundamental para a maioria das pessoas com TEA.



Como é feito o diagnóstico em pessoas com características do autismo?


O diagnóstico do autismo geralmente ocorre por volta dos 2 a 3 anos de idade, embora atrasos no desenvolvimento possam ser identificados mais cedo.


Não há um exame médico específico para o diagnóstico do autismo, portanto é importante a observação cuidadosa das interações sociais, comunicativas e comportamentais.


Em alguns casos, testes genéticos são usados para auxiliar no diagnóstico do TEA, uma vez que os fatores genéticos são uma das causas consideradas em sua origem.


Coexistência de Transtornos do Espectro Autista com outras condições


É comum que pessoas com autismo apresentem outros distúrbios, como transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), transtornos de ansiedade, transtornos de sono, entre outros.


Reconhecer isso é importante para um a realização de um tratamento mais abrangente e adequado.


Níveis de funcionamento no espectro autista


Apesar dos sintomas negativos, existem pessoas no espectro que apresentam alta capacidade e talentos excepcionais em áreas específicas, como matemática ou música.


Portanto, é preciso compreender essas nuances para apoiar essas pessoas nos momentos difíceis e ao mesmo tempo incentivá-las nas suas aptidões.



Intervenção precoce e seu impacto no desenvolvimento


O diagnóstico precoce acompanhado do tratamento correto é importante para promover o desenvolvimento e o bem-estar das crianças com autismo.


Estudos mostram que intervenções intensivas e individualizadas, como a terapia comportamental, mostram excelentes resultados.


Inclusão escolar e apoio educacional


A inclusão de crianças autistas em ambientes educacionais regulares tem sido cada vez mais valorizada. É importante fornecer apoio e recursos adequados para garantir que essas crianças tenham igualdade de oportunidades educacionais e possam alcançar seu potencial máximo.


Desafios enfrentados pelos adultos no espectro autista


As características associadas ao autismo podem persistir na idade adulta. Nesse caso, questões relacionadas ao trabalho, independência, relacionamentos e saúde mental são alguns dos temas que merecem atenção.


Fortalecendo o apoio e o acompanhamento: Comunicação alternativa, sensibilidades sensoriais e suporte familiar no autismo


  • Comunicação alternativa e aumentativa (CAA): Nos casos de dificuldade de comunicação verbal, é necessário trabalhar técnicas de comunicação alternativa, como o uso de sistemas de comunicação por imagens, dispositivos eletrônicos ou linguagem de sinais. A implementação da CAA pode melhorar a comunicação, a interação social e a qualidade de vida dessas pessoas.


  • Sensibilidades sensoriais: No espectro autista, é comum haver a sensibilidade sensorial aumentada ou diminuída. Isso significa que as pessoas podem ter uma resposta atípica a estímulos sensoriais, como som, luz, texturas e cheiros.


  • Apoio familiar e suporte emocional: O diagnóstico de autismo não afeta apenas o indivíduo, mas também a família como um todo. É importante fornecer suporte e recursos para os familiares, desde orientação, aconselhamento emocional e acesso a grupos de apoio.


Técnica de intervenção comportamental


A terapia comportamental, como a Análise do Comportamento Aplicada (ABA), é amplamente utilizada no tratamento de pessoas com autismo.

Esse método se concentra em ensinar formas de melhorar o desenvolvimento social, comunicativo e adaptativo por meio do reforço positivo.


Características do autismo -Transição para a vida adulta

A transição da adolescência para a vida adulta traz várias incertezas para quem tem o espectro autismo. Nesse ponto, é necessário entender sobre os recursos disponíveis para auxiliar nessa transição, como por exemplo:

  • Programas de treinamento vocacional: o investimento em programas de treinamento vocacional comuns aos interesses do autista pode abrir portas para várias oportunidades. Esses programas visam desenvolver o lado profissional, oferecer experiências práticas e promover a independência financeira.


  • Apoio à moradia independente: a transição para uma moradia independente é algo primordial na vida do autista. Nesse caso, é possível pensar na disponibilização de recursos para auxiliar na busca pela moradia, na adaptação do ambiente para atender às necessidades da pessoa com autismo e no acesso a serviços de apoio à vida diária, conforme necessário.


  • Serviços de cuidados de saúde mental: durante a transição para a vida adulta, é essencial fornecer acesso contínuo a serviços de cuidado mental. Nessa fase, é extremamente necessário o acompanhamento com profissionais qualificados que possam oferecer suporte emocional e orientações tanto ao paciente quanto à família.


Enfim, se aprofundar no tema sobre as características do autismo traz a todos nós uma visão mais compreensiva sobre o assunto.


Você tem espectro autista? Conhece alguém que tem? Entre em contato e agende uma consulta.


171 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page