top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

9 Sintomas de compulsão alimentar que você não pode ignorar




Problemas de compulsão alimentar podem ter uma variedade de razões, que incluem fatores genéticos, biológicos, psicológicos e comportamentais. 


A compulsão alimentar é um distúrbio caracterizado pela ingestão exagerada de alimentos, muitas vezes sem fome real, que leva o indivíduo a perda de controle sobre a comida.


Fatores como dietas restritivas, insatisfação com o corpo, estresse e transtornos de humor podem desencadear episódios de compulsão.


De acordo com dados da OMS, cerca de 4,7% da população sofre de transtorno de compulsão alimentar (TCA) no Brasil.


Além disso, a compulsão alimentar costuma estar associada a outros transtornos alimentares, como a bulimia e a anorexia, e a problemas de saúde como obesidade, diabetes e hipertensão.


Para entender melhor o problema, continue acompanhando o artigo.


O que é compulsão alimentar


A compulsão alimentar é um transtorno psicológico. Ela é caracterizada pela ingestão exagerada e repetitiva de alimentos.


Durante um episódio, a pessoa pode perder o controle sobre o ato de comer e se sentir extremamente culpada, envergonhada ou angustiada. 


Esses sentimentos, paradoxalmente, levam a mais episódios de compulsão e criam um ciclo vicioso difícil de quebrar. 


Sintomas de compulsão alimentar


  1. Consumir grande quantidade de comida, mesmo sem estar com fome: 


Aqui a pessoa come em grandes quantidades, além do ponto de se sentir saciada ou satisfeita. 

Este comportamento é impulsionado pela forte vontade de comer, independentemente da fome real, o que leva à ingestão excessiva de calorias.


  1. Sentimento de culpa após comer: 


Após a compulsão, a pessoa passa por sentimentos intensos de culpa, vergonha ou arrependimento como consequência. 

Em geral elas sabem que estão indo contra seus objetivos dietéticos pessoais ou de saúde, mas não conseguem controlar.

  1. Dificuldade em parar de comer: 


A falta de controle é marca registrada do comportamento alimentar compulsivo.

Seja por estresse, tristeza ou até mesmo por hábitos adquiridos, comer se torna uma resposta automática do corpo, que dificulta a identificação dos sinais reais de fome e saciedade.


  1. Comer alimentos estranhos: 


Esse sintoma envolve o consumo de itens incomuns ou não nutritivos como arroz cru, pedaços de manteiga ou massa de bolo crua. 

Comer alimentos não convencionais é sinal de comportamento alimentar desordenado e pode indicar uma forma grave de alimentação compulsiva.


  1. Come muito rápido:


Comer rápido costuma levar a excessos, pois o corpo não tem tempo suficiente para sinalizar saciedade.

Assim, pode ocorrer o consumo excessivo de alimentos durante um episódio de compulsão alimentar.


  1. Comer escondido


O ato de comer às escondidas geralmente surge da vergonha ou culpa por comer demais ou por escolher certos tipos de alimentos.

As pessoas podem se sentir constrangidas com a quantidade ou com o tipo de alimento, especialmente se estiverem tentando seguir uma dieta ou se os alimentos forem considerados "proibidos".


  1. Prazer imensurável ao comer


Aqui a pessoa experimenta uma sensação intensa de bem-estar, conforto, ou alívio ao comer. 

Isso é perigoso, pois esse “prazer imensurável” pode levar a um ciclo vicioso e difícil de escapar.


  1. Pouca preocupação com o excesso de peso:


Quando alguém encontra conforto emocional na comida, muitas vezes, a preocupação com o ganho de peso diminui. 

Isso acontece porque o bem-estar momentâneo que a comida gera parece mais importante do que os possíveis impactos na saúde física.

Por exemplo, após um dia estressante, a ideia de comer algo que gosta pode ser tão reconfortante que o medo de engordar fica em segundo plano.


  1. Sobrepeso ou obesidade, já que são consumidas mais calorias do que o corpo consegue gastar: 


A alimentação compulsiva muitas vezes leva ao ganho de peso, que resulta em sobrepeso ou obesidade. 

O desequilíbrio entre a ingestão e o gasto calórico contribui para o acúmulo de excesso de gordura corporal, uma consequência comum do comportamento alimentar compulsivo.


Compulsão Alimentar em Crianças e Adolescentes


Uma das razões principais para o surgimento da compulsão alimentar na infância está relacionada ao tempo ocioso e à falta de atividades físicas ou recreativas. 


O aumento do tempo assistindo televisão, jogando videogames ou em frente a telas pode estimular o consumo excessivo de comida.


Além disso, o tédio ou a falta de estrutura nas rotinas diárias levam as crianças a recorrerem à comida como forma de entretenimento ou consolo emocional. 

É importante destacar é que uma pesquisa realizada pela CAPES, revelou que mais de 20% da população jovem, entre 6 e 18 anos, apresenta algum tipo de transtorno alimentar. 


O estudo também mostra uma prevalência maior do transtorno em meninas (30%) em comparação aos meninos (17%).

Esses dados, reforçam a importância de prestar mais atenção nos hábitos alimentares de crianças e adolescentes.


Quando Procurar Ajuda


Se você reconhece os sintomas da compulsão alimentar, é importante buscar ajuda o mais rápido possível. 


Profissionais de saúde mental, como psicólogos e psiquiatras podem ajudar.


Não sinta medo ou vergonha de conversar. Esses profissionais são especializados em oferecer apoio e apresentar as melhores estratégias para superação do transtorno.


Tipos de Tratamento para Compulsão Alimentar


O tratamento contra compulsão alimentar costuma variar de acordo com as necessidades individuais, mas geralmente inclui terapia, orientação nutricional e, em alguns casos, medicamentos.


  • Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC): Ajuda a identificar e modificar padrões de pensamento e comportamento negativos relacionados à alimentação.


  • Terapia Nutricional: Trabalha na reconstrução de uma relação saudável com a comida.  Pode incluir a elaboração de um plano alimentar que não restrinja alimentos e evite gatilhos de compulsão.

  • Medicamentos: Em alguns casos, antidepressivos ou medicamentos específicos são prescritos para tratar outros sintomas, como ansiedade ou depressão, que costumam contribuir para a compulsão. 

  • Grupos de Apoio: Compartilhar experiências com pessoas que passam por problemas parecidos pode ajudar na compreensão e superação.



Conclusão


A luta contra a compulsão alimentar é uma oportunidade de crescimento e autodescoberta. 


Encarar este caminho com compreensão e aceitação pode revelar forças que nem sabíamos que tínhamos, além de nos ensinar a valorizar cada etapa do processo. 


Ao apreciarmos as pequenas vitórias, começamos a construir uma relação mais saudável e equilibrada com a comida e conosco mesmos.


Substitua a autocrítica por uma atitude mais gentil e paciente.


Se você sente que precisa de um psicólogo ou psiquiatra neste momento, agende sua primeira sessão de terapia na Pontual Psiquiatria clicando aqui.


10 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page