top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

Estresse Pós-Traumático Tem Cura? Entenda a Condição e Conheça as Opções de Tratamento


capa artigo estresse pós traumático tem cura

Você já parou para se perguntar se o estresse pós-traumático tem cura? Antes de responder a essa pergunta, é fundamental entender o que é o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT).


O TEPT é um distúrbio de ansiedade que pode surgir após a vivência de eventos angustiantes ou aterradores. Tais eventos podem variar desde acidentes de trânsito, episódios de abuso e violência física ou sexual, até pressões no ambiente de trabalho.


Geralmente, os sintomas de TEPT surgem nos primeiros três meses após o evento traumático. No entanto, em alguns casos, eles podem levar mais tempo para aparecer.


Sinais e Sintomas do Estresse Pós-Traumático


No perímetro urbano de São Paulo, em um período de 12 meses, 1,6% dos habitantes afirmam ter enfrentado estresse pós-traumático, enquanto 3,2% declaram ter passado por essa experiência em algum momento de suas vidas.


Estas estatísticas são oriundas da pesquisa "Relação e Incidência de Distúrbios de Estresse Pós-traumático no Grande São Paulo", publicada na edição de dezembro da revista Journal of Psychiatric Research.


Conheça agora os principais sinais e sintomas de quem passa pelo problema:


  • Revivência do Evento

O trauma vivido pode se manifestar em formas como flashbacks, pesadelos e alucinações. O indivíduo sente como se estivesse revivendo o trauma repetidas vezes.


  • Evitação

O medo e a angústia levam a pessoa a evitar situações, lugares ou pessoas que possam trazer lembranças do trauma. Isso tende a evoluir para isolamento social e até para comportamentos autodestrutivos como o uso de drogas e outras substâncias prejudiciais à saúde.


  • Cognição Negativa e Humor

O TEPT pode levar a pensamentos de culpa, raiva desmedida e tristeza profunda. Além disso, é comum surgir a sensação de desconfiança e insegurança em relação ao mundo e às pessoas.


  • Estado de Alerta Elevado

Pessoas com TEPT em geral se encontram em um estado de alerta constante, o que costuma trazer problemas como insônia, irritabilidade e dificuldade de concentração.


Causas do Estresse Pós-Traumático


Não existe uma única causa para o desenvolvimento do TEPT, pois ele pode aparecer como reação a diferentes tipos de eventos traumáticos.


Alguns fatores de risco incluem histórico de problemas mentais, parentes com transtornos psiquiátricos ou abuso de substâncias.


Como o TEPT Pode Aparecer na Sua Vida: Entenda os principais Gatilhos


O TEPT não é seletivo. Ele pode atingir qualquer pessoa que tenha vivido uma situação prejudicial ou risco de vida.


E sabe o que é mais complicado? Cada um de nós reage de um jeito a esses momentos tensos. Ou seja, o que pode ser apenas um susto para um, pode se tornar um verdadeiro trauma para outro.


Vamos dar uma olhada em alguns dos "gatilhos" comuns:

  • Acidentes de trânsito.

  • Assaltos, violência sexual e conflitos armados.

  • Bullying no colégio, racismo, sexismo, homofobia.

  • Terremotos, furacões e inundações entram na lista.

  • O parto, para algumas mulheres, pode ser traumático.


Se você ou alguém que você conhece já tiveram problemas de saúde mental antes, ou têm parentes com essas condições, ou ainda histórico de abuso de substâncias químicas, fique de olho! O risco de desenvolver TEPT após um evento tenso costuma ser bem mais alto.


TEPT em Crianças: Os Sintomas Mudam com a Idade, Atenção!


É complicado, mas as crianças também podem sofrer com TEPT, e o jeito que os sintomas aparecem nelas pode ser um pouco diferente dos adultos.


Vamos entender como isso funciona em cada faixa etária, para ficar mais fácil de identificar e ajudar, certo?


Mini Humanos (Até 6 Anos)


Nessa idade, os pequenos podem ficar super grudados nos pais ou responsáveis, como se o mundo sem eles fosse um filme de terror. Dormir sozinho? Nem pensar!


Além disso, o trauma pode aparecer nas brincadeiras. Por exemplo, se o trauma foi um acidente de carro, você pode notar que todos os carrinhos na brincadeira começam a sofrer "acidentes".


Fase dos Porquês (7 a 11 Anos)


Aqui, a brincadeira ainda é um palco para o trauma se manifestar. Mas, além dos carrinhos se acidentando, desenhos e histórias também podem revelar o que está rolando na cabecinha deles.


Além disso, prepare-se para uma montanha-russa emocional: irritação, agressividade e até pesadelos podem entrar na rotina. E se seu filho der uma de "detesto a escola", é bom ficar atento; pode ser mais sério do que uma simples aversão à matemática.


Quase Adultos (12 a 18 Anos)


Nessa fase, os sintomas começam a ficar parecidos com os dos adultos. O astral pode ir lá para baixo, com sinais de depressão e ansiedade. Além disso, comportamentos arriscados entram em cena: abuso de álcool ou drogas e até fugas de casa podem acontecer.


Ficar ligado nos sinais em cada fase da criança é super importante para ajudá-las o quanto antes.


Caso você note alguns desses comportamentos, talvez seja hora de procurar um especialista para tirar as dúvidas. Afinal, quanto mais cedo o TEPT for identificado e tratado, melhores serão as chances de recuperação.


Estresse Pós-Traumático Tem Cura?


Sabe aquele ditado "Tempo é o melhor remédio"? Pois é, no caso do TEPT, isso pode até fazer um pouco de sentido inicialmente. É completamente normal se sentir fora de órbita depois de viver algo traumatizante.


Mas, felizmente, a maioria das pessoas melhoram em algumas semanas. Então, é possível melhorar sozinho ou não? Bom, se você perceber que seus sintomas:

  • Estão aí, firmes e fortes, após mais de um mês;

  • Estão te incomodando a ponto de você não conseguir focar em mais nada;

  • Estão virando um obstáculo na sua vida, seja no trabalho, em casa ou nos relacionamentos;

É hora de falar "chega!" e buscar um médico, seja ele um psiquiatra, psicólogo ou qualquer outro especialista em saúde mental.


Mas o que significa "Melhorar"?


Quando falamos de "melhora", cada um tem sua própria versão do que isso significa, certo? Para uns, é não ter mais nenhum sintoma, enquanto para outros é conseguir ir ao supermercado sem ter um ataque de pânico.


Existem tratamentos para o TEPT que podem, sim, fazer com que os sintomas desapareçam por completo. Para aqueles que ainda sentem alguns sintomas, os tratamentos podem pelo menos torná-los mais leves ou menos frequentes.


Conheça as Opções de Tratamento para Transtorno Pós-Traumático


Se você está lidando com o TEPT, a primeira coisa que você quer saber é, provavelmente, "Como eu me livro disso?" Então, vamos direto ao ponto!


  • Psicoterapia Focada no Trauma


Parece um termo todo elegante, né? Basicamente, "focada no trauma" significa que o terapeuta vai abordar diretamente aquela lembrança assustadora ou o impacto que ela teve na sua vida. E olha, temos algumas abordagens que são o "top dos tops" quando se trata de TEPT:


  • Terapia de Processamento Cognitivo (CPT): Aqui, a ideia é treinar seu cérebro para mudar a forma como você vê o trauma. Quase como se você estivesse atualizando o software da sua mente para encarar as coisas de forma diferente.

  • Exposição Prolongada (EP): Sabe aquelas memórias que você não consegue tirar da cabeça? Nesse tratamento, você vai falar sobre elas até que percam o poder de te assustar. É como tirar o veneno de uma ferida, aos poucos.

  • Dessensibilização e Reprocessamento dos Movimentos Oculares (EMDR): Enquanto você conversa sobre o trauma, focará também em movimentos ou sons. O objetivo é ajudar seu cérebro a 'reprocessar' as lembranças traumáticas.


  • Medicamentos para TEPT


Se a ideia de conversar sobre o trauma ainda lhe parece assustadora, existem medicamentos específicos que podem ajudar a tratar os sintomas do TEPT.

No entanto, é indispensável consultar um médico para determinar a melhor opção para o seu caso, pois não é aconselhável se medicar por conta própria.


Conclusão


Como vimos, o Estresse Pós-Traumático tem cura, mas é um processo. Levará tempo, energia e coragem para progredir. Avançar vai exigir paciência, esforço e força de vontade.


Mesmo assim, a recuperação do TEPT é sim uma meta realista e alcançável. Nem você nem as pessoas que ama precisam continuar carregando o fardo de traumas antigos e não resolvidos.


Gostou do nosso artigo? Visite também nossas redes sociais e veja o que está rolando por lá.


24 visualizações0 comentário

ความคิดเห็น


bottom of page