top of page
  • Foto do escritorRochelle Affonso Marquetto

Dependência Química: O Que é, Como Reconhecer e Tratar?


capa dependência química o que é

Ao nos perguntarmos 'Dependência Química: o que é?', vamos começar dizendo que ela é mais do que um 'mau hábito', é uma doença que afeta o cérebro e pode ser realmente difícil de superar.


A dependência faz com que você sinta que precisa de certas coisas - como drogas ou álcool - tanto física quanto emocionalmente. E, claro, isso é algo ruim para você, mas também pode ser perigoso para as pessoas ao seu redor.


O mais complicado é que muitas vezes quem está passando pela dependência sabe que tem um problema, mas não encontra forças para abandonar. Conhece aquela história: "só uma vez não faz mal"? Pois é, não é bem assim.


Quando você usa drogas ou álcool com frequência, seu corpo se acostuma e você vai precisar de cada vez mais para sentir o mesmo efeito. Então, mesmo experimentando uma única vez, as coisas podem sair do controle.


O que é Dependência Química?


Usar drogas ou álcool por muito tempo pode criar um ciclo vicioso, onde você sente que precisa dessas substâncias só para se sentir "normal" e evitar mal-estar.


Uma vez que você percebe que está com um problema, a dependência pode já ter tomado conta da sua vida, fazendo você esquecer de outras coisas que antes eram importantes.


A verdade é que ninguém começa pensando que vai ficar dependente. As pessoas têm diferentes razões para experimentar algo pela primeira vez.


Pode ser por curiosidade, pressão social ou até mesmo para aliviar o estresse. Crianças e adolescentes que crescem em lares onde o uso de drogas e álcool é comum têm mais chances de enfrentar problemas de dependência química no futuro.


Mas vale lembrar que outros fatores também influenciam, como distúrbios emocionais e até mesmo a genética. O importante é entender que a dependência química é algo sério e que requer atenção e tratamento.





Fatores Contribuintes


Você sabia que a genética pode ter um papel importante no desenvolvimento da dependência? Pesquisas indicam as chances de alguém desenvolver problemas com substâncias pode ser hereditária.


Um estudo realizado pelo Instituto de Ciência Biomédicas da UFMG revela que o alcoolismo é o que mais é estudado em relação à hereditariedade, com 50% dos casos apresentando uma predisposição genética e os demais 50% sendo influenciados pelo meio social.


É bom lembrar que o cérebro é o órgão mais afetado pelo uso excessivo de substâncias. Basicamente, drogas e álcool fazem o cérebro liberar uma enxurrada de dopamina, o hormônio do "sentir-se bem".


Com o tempo, o cérebro não consegue mais fazer isso sozinho e aí a pessoa precisa de mais e mais da substância. Isso torna mais difícil curtir outros momentos prazerosos da vida, como estar com amigos e familiares, sem estar sob efeito de algo.


Reconhecendo e Compreendendo a Dependência Química


Identificar um problema de dependência química não é sempre algo direto. Alguns sinais são claros, mas outros podem ser sutis e fáceis de esconder.


E adivinhe? Muita gente que sabe que tem um problema faz o possível para esconder isso de amigos e familiares, o que torna ainda mais complicado perceber se alguém próximo está em apuros.


Além disso, a forma como a mídia mostra a dependência química muitas vezes estigmatiza as pessoas que estão passando por isso, como se fossem criminosos ou tivessem graves falhas morais.


A realidade é bem diferente: a dependência química pode afetar qualquer pessoa, não importa a idade, a cultura ou a classe social.


Então, se você está tentando entender melhor esse tema, saiba que a dependência química não tem "cara". Ela pode aparecer em qualquer lugar e em qualquer pessoa.

E se você suspeita que alguém próximo está enfrentando um problema do tipo, o mais importante é buscar ajuda especializada.


Sinais de Alerta: Como Identificar se Alguém Está Enfrentando Dependência Química


Aqui vão algumas pistas que podem indicar que alguém está passando por um momento difícil com substâncias químicas:


  • Começam a faltar compromissos ou responsabilidades.

  • Problemas no trabalho, na escola ou em casa.

  • Sumiços sem explicação.

  • Amizades novas e diferentes do usual.

  • Mudanças bruscas nas finanças.

  • Alterações no sono.

  • Falta de foco ou esquecimentos.

  • Começam a ser mais reservados sobre a vida pessoal.

  • Se afastam dos amigos e família de sempre.

  • Mudanças súbitas de humor ou comportamento.

  • Parecem desmotivados.

  • Perda de peso ou mudanças na aparência.


Ninguém começa a usar nada querendo ficar dependente. Às vezes, a pessoa nem percebe que o problema está tomando conta. Então, se você notar alguns desses sinais em alguém que gosta, talvez seja hora de conversar e buscar ajuda profissional.


Substâncias que Mais Levam à Dependência Química


Muita gente pelo mundo luta contra a dependência química. As substâncias mais comuns são:

  • Nicotina: Presente nos cigarros e outros produtos de tabaco.

  • Álcool: Bebidas como cerveja, vinho e destilados.

  • Cocaína: Uma droga estimulante e ilegal.

  • Heroína: Uma droga opioide, também ilegal.

  • Benzodiazepínicos: Medicamentos usados frequentemente para ansiedade ou insônia, como Valium ou Xanax.

  • Metanfetaminas: Um estimulante poderoso, também conhecido como "cristal" ou "ice".

  • Opioides: Incluem medicamentos prescritos como oxicodona e hidrocodona, bem como drogas ilegais como a heroína.

  • Inalantes: Substâncias voláteis que produzem vapores que podem ser inalados, como colas e aerossóis.

  • Anfetaminas: Estimulantes frequentemente usados para tratar o TDAH, mas que também podem ser abusados.


Impacto da Dependência Química no Cérebro


O cérebro é severamente afetado pela dependência química. O uso continuado de substâncias leva a mudanças na produção de neurotransmissores como a dopamina, afetando o sistema de recompensa do cérebro.


Com o tempo, isso pode levar à incapacidade de encontrar prazer em atividades que não envolvam o uso de substâncias.


Tratamento para Dependência Química


Um bom tratamento começa com uma etapa chamada "desintoxicação", que é quando você para de usar a substância e seu corpo começa a se adaptar.


Esse processo pode ter efeitos colaterais que variam de desconfortáveis a perigosos, então é super importante ter um médico acompanhando tudo de perto.


Às vezes, eles até dão medicamentos para tornar esse processo mais seguro e confortável.

  • Terapia Cognitivo-Comportamental: Foco na identificação e mudança de padrões de pensamento e comportamento.

  • Medicação: Certos medicamentos podem ajudar a aliviar os sintomas de abstinência e os desejos.

  • Apoio Comunitário: Grupos de apoio e redes sociais podem fornecer motivação e assistência durante o processo de recuperação.


Você está lutando contra a dependência química?


Agora que você sabe mais sobre “Dependência Química: O que é”, compartilhe esse conteúdo com seus familiares e amigos.


Ah, e se você estiver precisando de ajuda não hesite em nos ligar! Aqui na Pontual Psiquiatria oferecemos tratamentos de qualidade para dependência e outros problemas de saúde mental.


Nossa equipe experiente e cuidadosa está pronta para ajudar você ou sua família a encontrar o caminho para a recuperação. Para mais informações, entre em contato pelos nossos canais de atendimento.







16 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page